Telas Mofadas | Telas Tomando Banho de Sol

bolor ou mofo são fungos que aparecem nas telas pintadas a óleo devido a umidade no período do inverno. E haja saco você ver seu trabalho contaminado por esses fungos. Pois bem, fazer o que? Faça uma instalação na sua casa. Espalhe as telas no seu quintal em um dia de sol e deixe-as se bronzeando ao calor dos trópicos. Mas não esqueça de passar antes um vinagre sobre a tela para acabar com o mofo, e examine as telas sempre, pois se deixar o mofo por muito tempo ele acaba manchando a pintura e a tela ficará danificada.

O mofo serve para alguma coisa boa como fazer queijos, pães e até medicamentos. Temos que aprender a conviver com ele por isso fiz essa instalação caseira. Deixei minhas telas curtir um dia de sol mas antes passei o protetor solar nelas (O VINAGRE). Valeu.

Cláudio Dickson

Anúncios

11 comentários sobre “Telas Mofadas | Telas Tomando Banho de Sol

  1. Ótima a dica do uso de vinagre para limpeza do mofo em telas pintadas à óleo.
    Quanto ao banho de sol ainda estou temeroso em empenar a moldura.
    Muito obrigado!!!

    • É, todo cuidado é pouco, mas como você pôde ver nas imagens, eu deixo elas tomarem sim um banho de sol e o que pode ser levado em conta é o tipo de madeira que é feito as suas telas.

  2. Obrigado por esta maravilhosa dica. É muito triste ver o que fizemos com tanto esmero as vezes ser destruido. Em dias de sol, telas livres e bronzeador, vinagre nelas.

  3. Bom,minhas telas obtiveram o mesmo problema.Irei por em prática esta dica,espero que tenho bons resultados.
    Grato por esta dica.

    • Dependendo da situação da tela passa-se dos dois lados, mas tomando todo o cuidado na parte da frente para não danificar a pintura. Com cuidado e delicadeza.

  4. Infelizmente o sol e o calor também não são amigos. Cuidado. Em museologia fala-se atualmente da Gestão de Riscos.

    “Entende-se por avaliação de riscos a identificação dos factores presentes num
    museu que podem influenciar ou contribuir para a degradação activa dos bens cultu-
    rais. O conhecimento detalhado das situações possibilita uma avaliação de riscos.
    Devem ser considerados os vários factores de deterioração. Por exemplo:

    – luz
    – variações bruscas ou valores incorrectos de temperatura e humidade relativa;
    – presença de pragas;
    – presença de poluentes atmosféricos
    – manuseamento e acondicionamento inadequados”

    “Cada bem cultural requer um cuidado específico consoante a sua natureza, a sua
    fragilidade, o seu estado de conservação e o seu valor patrimonial. A sua distribuição
    pelos vários espaços de um museu, ou mesmo fora dele, coloca uma série de proble-
    mas que devem ser articulados com as condições de segurança e de ambiente.
    Todos os acervos estão sujeitos a riscos inerentes a procedimentos inadequados
    relacionados com:
    – a conservação preventiva (por exemplo, oscilações bruscas de humidade relativa,
    presença de luz excessiva ou de pragas)”…

    (Texto extraído do Plano de Conservação Preventiva – Instituto Português de Museus)

    • Vinagre de alcool, mas com cautela e sempre ficar atento, quanto mais cedo descobrir (fresco) o mofo, mais fácil remover. Em ambos os lados com mais cuidado na parte da pintura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s